noticias

Na companhia de músicos cearenses, artista referência na cena cultural e política de Cabo Verde é atração de abertura do evento no Cineteatro São Luiz

De 1º a 4 de novembro, diversos pontos culturais de Fortaleza receberão a programação da XVI Feira da Música, que se destacou por ser um espaço de convergência de interesses que, de forma democrática e criativa, estimula a troca de informações e conhecimento, intercâmbio, circulação e geração de negócios para o setor. Para abrir a programação de shows, o evento convida o músico, escritor, pintor e político, Mário Lúcio. Mostrando versatilidade musical e engajando os talentos locais, o show de abertura propõe uma troca musical entre músicos cearenses e Mário Lúcio. Lorena Nunes, Cainã Cavalcante, Igor Ribeiro e Nonato Lima são alguns dos artistas cearenses confirmados até o momento.

Foto/Reprodução – Thiago Nozi

Criativo, multi-instrumentista, artista de várias artes, referência no assunto e autêntico. A Feira da Música e Mário Lúcio tem muito em comum quando comparamos assim o perfil de cada um, promovendo esse show onde os talentos cearense e cabo-verdiano irão se afinar no palco do Cineteatro São Luiz na noite de sábado (04). Acompanhando Mário Lúcio, ainda estarão no show Jorge Pimpa (bateria), Adão Brito (baixo) e Totinho (saxofone e percussão).

Como músico, Mário Lúcio é uma referência em Cabo Verde e ao redor, devido à sua alta qualidade das composições, arranjos e filosofia de seus álbuns. Está em pesquisa permanente sobre a música tradicional de Cabo Verde, o que lhe garante um ar fresco da modernidade, poesia e originalidade. É um dos maiores compositores do seu país e fundador e líder do antigo grupo musical Simentera, um ex-libris da música cabo-verdiana. Dos artistas que já gravaram com Mário Lúcio, figuram na lista os brasileiros Paulinho da Viola, Gilberto Gil e Milton Nascimento.

Foto/Divulgação

Além de sua reconhecida atuação como artista, Mário Lúcio tem história no cenário político. Licenciado em Direito, foi Ministro da Cultura de Cabo Verde entre 2011 e 2016, além de ter ocupado funções como Deputado e Embaixador Cultural de Cabo Verde.

Em seu trabalho intitulado “Funanight”, Mário Lúcio experimentou a mistura de músicos da África do Sul, de Cabo Verde, arranjos de sopros de Cuba, músicos do Brasil, a voz de Wanda Baloyi, uma inesperada versão de “Who the Cap Fit”, de Bob Marley, ‘riffs’ de guitarra, distorção e wuahwuah de Sori Araújo em uma versão ‘rock’ de ‘Nandinha’ onde também convidou Zeca di Nha Reinalda. O artista também exercita o Batuku e a Tabanka, além de abordar temas de intervenção humanista.

O disco é baseado no género musical “funaná”, gênero musical tocado com gaita (acordeon diatônico) e ferrinho (uma barra de ferro, em forma de cantoneira, tocada com uma faca – percussão). Nasceu na Ilha de Santiago, Cabo Verde, por volta do séc. XIX. Foi o primeiro gênero a ser dançado em par. É uma música de libido libertina, de vocação libertária e de energia libertadora. É sinónimo de baile, mas também é poesia.

Sobre Mário Lúcio

Mário Lúcio nasceu em Tarrafal, na ilha de Santiago, Cabo Verde, em 1964. Muito cedo, aos 6 anos, ele já era um fenômeno da criatividade. Aos 12 anos tocava vários instrumentos, compunha e escrevia poemas. Aos 14 anos, era um dos maiores músicos de sua geração, sendo parte da banda revolucionária de meninos chamados Abel Djassi, que introduziram arranjos sofisticados na música tradicional.

Foto/Reprodução

Novo Ciclo da Feira da Música

A Feira da Música anuncia o novo ciclo, sintonizado com as conquistas e ações realizadas em seus primeiros quinze anos de atuação. O evento volta a olhar para as suas origens, ajustando o foco novamente para a cena local. É hora de reconhecer os avanços que muitas bandas e artistas ganharam, ao longo do primeiro ciclo e voltar os olhares para a nova cena local, revisitando o cenário cearense desta vez com maturidade diferente, cenários novos e oportunidades que devem ser aproveitadas.

“Temos agora uma cena reconhecida e conectada, precisamos aproveitar os frutos do trabalho e rentabilizar, valorizar e criar oportunidades, ajudando novos artistas a alcançarem seu potencial”, comenta Ivan Ferraro, idealizador do evento. O objetivo desta edição é renovar o olhar para o cenário local da música, dando espaço para bandas e artistas que ainda não tiveram a chance de mostrar o seu trabalho e redescobrir essa cena que é famosa por sua criatividade, autenticidade e diversidade.

Foto: Thiago Nozi

16 projetos musicais de bandas cearenses foram selecionados para apresentação na programação da Feira da Música 2017, que está atenta para o mercado como vitrine e palco, buscando resultado a médio e longo prazo para estes artistas, dando condição e conhecimento para que eles possam continuar avançando no pós o evento, através da programação integrada com o Programa Ceará Música e o Show Business.

Agregando em sua programação os equipamentos culturais que são essenciais nessa estratégia de potencializar a cena local, a XVI Feira da Música irá reverberar seus sons pelas paredes do Teatro Carlos Câmara, Cineteatro São Luiz, Centro Cultural Dragão do MarTheatro José de Alencar e Praça dos Leões.

Sobre o show de abertura:
Data: 01 de novembro, quarta-feira
Show: “Funanight”, do artista Mario Lúcio (Cabo Verde) com Lorena Nunes, Cainã Cavalcante, Nonato Lima e Igor Ribeiro
Local: Cineteatro São Luiz
Horário: 20h
Ingressos: R$ 20 inteira e R$ 10 meia | Online: https://goo.gl/7jPUVQ